Central de Atendimento Esotérico: (0xx11) 2081-0384  -  Ligue agora mesmo e faça sua consulta!!!                                                                                                                       Consultoria esotérica em assuntos Sentimentais, Profissionais, Espirituais, entre outros.    Ligue AGORA !!! (0xx11) 2081-0384

 

     Pagina Inicial         Quem Somos         Como Fazer sua Consulta         Nossos Produtos         Confirmação de Pagamento         Fale Conosco         Mapa do Site                     

(11) 2081-0384

Skype Me™!

Skype Me™!

  Acupuntura
  Alquimia
  Amuletos
  Anjos
  Aromaterapia
  Astrologia
  Aura
  Banho de Ervas
  Baralho Cigano
  Blog
  Budismo
  Candomblé
  Cartomancia
  Chakras
 Compatibilidade Signos
  Cores das Velas
  Cristais
  Cristianismo
  Cromoterapia
  Dia do Nascimento
  Downloads
  E-mail Gratuito
  Esoterismo
  Espiritismo
  Espiritualismo
  Fitoterapia
  Fadas
  Feng Shui
  Florais
  Gnose
  Grafologia
  Hermetismo
  Hinduísmo
  Hipnose
  Horóscopo
  Horóscopo Chinês
  I Ching
  Iniciais dos Nomes
  Iridologia
  Islamismo
  Judaísmo
  Kabalah
  Kardecismo
  Maçonaria
  Magia
  Mandala
  Mantras
  Massoterapia
  Meditação
  Mensagens
  Misticismo
  Músicas
  Neurolinguistica
  Numerologia
  Ocultismo
  Orixás
  Parapsicologia
  Promoções
  Quimbanda
  Quiromancia
  Quiropraxia
  Reflexologia
  Regressão
  Reiki
  Rosacruz
  Runas
  Santos do Dia
  Shiatsu
  Simpatias
  Trabalhe Conosco
  Taoismo
  Tarot
  Teosofia
  Testes
   Umbanda
  Vidas Passadas
  Wicca
  Xamanismo
  Yoga
  Zoroastrismo

Judaísmo

...   

         

...   

Judaísmo é o nome dado à religião do povo judeu, a mais antiga das três principais religiões monoteístas.

 

A história do judaísmo é a história de como se desenvolveu a religião principal da comunidade judaica que, ainda que não seja unificada, contém princípios básicos que a distingue de outras religiões. De acordo com a visão religiosa o judaísmo é uma religião ordenada pelo Criador através de um pacto eterno com o patriarca Abraão e sua descendência.

 

Ainda que seja intimamente relacionada à história do povo judeu, a história do judaísmo se distingue por enfatizar somente a evolução da religião e como esta influenciou o povo judeu e o mundo.

 

Ainda que o judaísmo só vá ser chamado como tal apenas após o retorno do cativeiro dos judeus, na Babilônia, de acordo com a tradição judaico-cristã a origem do judaísmo estaria associada ao chamado de Abraão à promessa de YHWH (nome do Deus de Israel em forma escrita já transliterada para nosso alfabeto).

 

Abraão, originário de Ur (atualmente Iraque, antiga Caldéia), teria sido um defensor do monoteísmo em um mundo de idolatria, e pela sua fidelidade à YHWH teria sido recompensado com a promessa de que teria um filho, Isaac do qual levantaria um povo que herdaria a Terra da promessa. Abraão é chamado de primeiro hebreu (aquele que vem do outro lado"), e passa a viver uma vida nômade entre os povos de Canaã. 

 

A comunidade judaica da Judéia cresceu com relativa autonomia sob o domínio persa, mas a história judaica tomaria importância com a conquista da Palestina por Alexandre Magno em 332 a.C.. Com a morte de Alexandre, o seu império foi dividido entre seus generais, e a Judéia foi dominada pelos Ptolomeus e depois pelos Selêucidas, contra os quais os judeus moveram revoltas que culminaram em sua independência.

 

Com a independência e o domínio dos Macabeus como reis e sacerdotes, surgem as diversas ramificações do judaísmo da época do Segundo Templo: os fariseus, os saduceus e os essênios.

 

As diversas polemicas entre as várias divisões do judaísmo levaram à conquista da Judéia pelo Império romano (63 a.C.).

 

O domínio romano sobre a Judéia foi, em todo, um período conturbado. Principalmente em relação aos diversos governadores e reis impostos sobre Roma, o que levou à Revolta judaica que culminou na destruição do Segundo Templo e de Jerusalém em 70 d.C.

 

Muitas revoltas judaicas explodiram em todo o Império romano, que levaram à Segunda revolta judaica sob o comando de Simão Bar-Kokhba e do rabino Akiva que, após seu fracasso, em 135, levou o estado judeu à extinção. Depois disso, ele voltou a existir apenas em 1948. 

 

 

O judaísmo na Idade Média

 

O cristianismo teria surgido como uma ramificação messiânica do judaísmo no século I d.C. Após o cisma que levou à separação entre judaísmo e cristianismo, o cristianismo desenvolveu-se separadamente, e também foi perseguido pelo Império romano. Com a adoção do cristianismo como religião do império no século IV, a tendência a querer erradicar o paganismo e a visão do judaísmo como uma religião que teria desprezado Jesus Cristo, levou a um constante choque entre as duas religiões, onde a política de converter judeus à força levava à expulsão, espoliação e morte, caso não fosse aceita a conversão. Esta visão anti-judaica era compartilhada tanto pelo catolicismo, quanto por Protestantismo, protestantes surgidas no século XVI.

 

Os judeus e diversas minorias tornaram-se vítimas de diversas acusações e perseguições por parte dos cristãos. A conversão ao judaísmo foi proibida pela Igreja, e as comunidades judaicas foram relegadas à marginalidade em diversas nações ou expulsas. O judaísmo tornou-se então uma forma religiosa de resistência à dominação imposta pela Igreja, desenvolvendo algumas das doutrinas exclusivistas de muitas tradições judaicas atuais.

 

  

Ramificações do judaísmo

 

Nos dois últimos séculos, a comunidade judaica dividiu-se numa série de denominações; cada uma delas tem uma diferente visão sobre que princípios deve um judeu seguir e como deve um judeu viver a sua vida. Apesar das diferenças, existe uma certa unidade nas várias denominações.

 

judaísmo rabínico

Surgido do movimento dos fariseus após a destruição do Segundo Templo, e que aceita a tradição oral além da Torá escrita, é o único que hoje em dia é reconhecido como judaísmo, e é comumente dividido nos seguintes movimentos:

 

Judaísmo ortodoxo

Considera que a Torá foi escrita por Deus que a ditou a Moisés, sendo as suas leis imutáveis. Os judeus ortodoxos consideram o Shulkhan Arukh (compilação das leis do Talmude do século XVI, pelo rabino Joseph Caro) como a codificação definitiva da lei judaica. O judaísmo ortodoxo exprime-se informalmente através de dois grupos, o judaísmo moderno ortodoxo e o judaísmo haredi. Esta última forma é mais conhecida como "judaísmo ultraortodoxo", mas o termo é considerado ofensivo pelos seus adeptos. O judaísmo chassídico é um subgrupo do judaísmo haredi.

 

Judaísmo conservador

Fora dos Estados Unidos é conhecido por judaísmo Masorti. Desenvolveu-se na Europa e nos Estados Unidos no século XIX, em resultado das mudanças introduzidas pelo Iluminismo e a Emancipação dos Judeus. Caracteriza-se por um compromisso em seguir as leis e práticas do judaísmo tradicional, como o Shabat e o cashrut, uma atitude positiva em relação à cultura moderna e uma aceitação dos métodos rabínicos tradicionais de estudo das escrituras, bem como o recurso a modernas práticas de crítica textual. Considera que o judaísmo não é uma fé estática, mas uma religião que se adapta a novas condições. Para o judaísmo conservador, a Torá foi escrita por profetas inspirados por Deus, mas considera não se tratar de um documento da sua autoria.

 

Judaísmo reformista

Formou-se na Alemanha em resposta ao Iluminismo. Rejeita a visão de que a lei judaica deva ser seguida pelo indíviduo de forma obrigatória, afirmando a soberania individual sobre o que observar. De início este movimento rejeitou práticas como a circuncisão, dando ênfase aos ensinamentos éticos dos profetas; as orações eram realizadas na língua vernácula. Hoje em dia, algumas congregações reformistas voltaram a usar o hebraico como língua das orações; a brit milá é obrigatória e a cashrut, estimulada.

 

Judaísmo reconstrucionista

Formou-se entre as décadas de 20 e 40 do século XX por Mordecai Kaplan, um rabino inicialmente conservador que mais tarde deu ênfase à reinterpretação do judaísmo em termos contemporâneos. À semelhança do judaísmo reformista não considera que a lei judaica deva ser suprema, mas ao mesmo tempo considera que as práticas individuais devem ser tomadas no contexto do consenso comunal.

 

Para além destes grupos existem os judeus não praticantes, ou laicos, judeus que não acreditam em Deus mas ainda assim mantêm culturalmente costumes judaicos; e o judaísmo humanístico, que valoriza mais a cultura e história judaica.

 

 

Quem é considerado judeu

 

A lei judaica considera judeu todo aquele que nasceu de mãe judia ou se converteu de acordo com essa mesma lei de acordo com o judaísmo rabínico.

 

Algumas ramificações como o Reformismo e o Reconstrucionismo aceitam também a linhagem patrilinear, desde que o filho tenha sido criado e educado em meio judaico.

 

Um judeu que deixe de praticar o judaísmo e se transforme num judeu não-praticante continua a ser considerado judeu. Um judeu que não aceite os princípios de fé judaicos e se torne agnóstico ou ateu também continua a ser considerado judeu.

 

No entanto, se um judeu se converte a outra religião, como o budismo ou o cristianismo, ou ainda, que se afirma judeu messiânico (ramificação protestante que defende Jesus como o messias para os judeus) perde o lugar como membro da comunidade judaica tradicional e transforma-se num apóstata. Segundo a tradição, a sua família e amigos tomam luto por ele, pois para um judeu abandonar a religião é como se morresse (nem sempre isto ocorre, mas a pessoa é tida como alguém não pertencente à comunidade). Esta pessoa, caso pretenda retornar ao judaísmo, não precisa se converter, de acordo com a maior parte das autoridades em lei judaica.

 

As pessoas que desejam se converter ao judaísmo devem aderir aos príncipios e tradições judaicas. Os homens têm de passar pelo ritual do brit milá (circuncisão). Qualquer converso tem de passar ainda pelo ritual da mikvá ou banho ritual. Os judeus ortodoxos reconhecem apenas conversões feitas por seus tribunais rabínicos, seja em Israel ou em outros locais. As comunidades reformistas e liberais também exigem a adesão aos princípios e tradições judaicos, o brit milá e a mikvá, de acordo com os critérios estipulados em cada movimento.

 

Enquanto as conversões autorizadas por tribunais rabínicos ortodoxos são aceitas como válidas por todas as correntes do judaísmo, aquelas feitas de acordo com as correntes Reformista ou Conservadora são aceitas no Estado de Israel e em todas as comunidades judaicas não-ortodoxas no mundo inteiro (mais de 80% dos judeus do planeta), mas rejeitadas pelo movimento ortodoxo.

 

 

Ciclo de vida judaico

  

Brit milá - As boas-vindas dos bebês do sexo masculino à aliança através do ritual da circuncisão.

Zeved habat - As boas-vindas dos bebês do sexo feminino na tradição sefardita.

B'nai Mitzvá - A celebração da chegada de uma criança à maioridade, e por se tornar responsável, daí em diante, por seguir uma vida judaica e por seguir a halakhá.

Casamento judaico - Formação de uma nova famíla.

Shiv'á - O judaísmo tem práticas de luto em várias etapas. À primeira etapa (observada durante uma semana) chama-se shiv'á, à segunda (observada durante um mês) chama-se sheloshim e, para aqueles que perderam um dos progenitores, existe uma terceira etapa, a avelut yod bet chódesh, que é observada durante um ano.
 

 

O Templo do Judaismo

 

A sinagoga é o local das reuniões religiosas da comunidade judaica, hábito adquirido após a conquista de Judá pela Babilônia e a destruição do Templo de Jerusalém. Com a inexistência de um local de culto, cada comunidade desenvolveu seu local de reuniões, que após a construção do Segundo Templo tornou-se os centros de vida comunitária das comunidades da Diáspora. Na estrutura da sinagoga destaca-se o rabino, líder espiritual dentro da comunidade judaica e o chazan (cantor litúrgico).

  

  

Calendário judaico

 

Baseados na Torá a maior parte das ramificações judaicas segue o calendário lunar. O calendário judaico rabínico é contado desde 3761 a.C.

 

O Ano Novo judaico, chamado Rosh Hashaná ("cabeça do ano") é o nome dado ao ano-novo no judaísmo) e acontece no primeiro ou no segundo dia do mês hebreu de Tishrei, que pode cair em setembro ou outubro.

 

Os anos comuns, com doze meses, podem ter 353, 354 e 355 dias, enquanto os bissextos, de treze meses, 383, 384 ou 385 dias. o calendario judaico começa a ser contado em 7 de outubro de 3760 a.C.que para os judeus foi a data da criação do mundo o que quer dizer que estamos vivendo no ano de 5767 (para 2007).

 

Diversas festividades são baseados neste calendário: pode-se dar ênfase às festividades de Rosh Hashaná, Pessach, Shavuót, Yom Kipur e Sucót. As diversas comunidades também seguem datas festivas ou de jejum e oração conforme suas tradições. Com a criação do Estado de Israel diversas datas comemorativas de cunho nacional foram incorporadas às festividades da maioria das comunidades judaicas.

...   

 

 

 

Vamos... Aproveite, Faça *AGORA* sua consulta esotérica !!!

                           (11)  2081-0384

                                  Clique ou 

                                  Clique Skype Me™! ou Skype Me™!

 

 

 

 

Mundo Mystiko® Com. e Serv. Ltda.

Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2004 - 2012.